terça-feira, 19 de julho de 2011

Raro

- Uau, Léo! A Paula me contou! Parabéns por ter ganho aquele concurso de redação! Não sabia que você era escritor.

- Ah, obrigado. – visivelmente encabulado. – Pois é, eu gosto de escrever, eu acho...

Alguns dias se passaram desde nosso último encontro com Leonardo e, nesse meio tempo ele conseguiu escrever a tal redação. Pensou em desistir algumas vezes, é claro, mas certo dia, ao voltar para casa depois das aulas ele confidenciou para Fernanda que não estava muito confiante em inscrever seu texto no tal concurso. As palavras dela, porém lhe encorajaram e inspiraram de tal forma que aqui está ele: acabou de ganhar um concurso nacional e subitamente saltou do estado de ostracismo de aluno recém-chegado para o reconhecimento e admiração de toda sua escola.

É claro que daqui a alguns dias todo esse frisson vai passar, mas hoje Leonardo está no centro das atenções a ponto de até Clara ter vindo falar com ele. Clara, por sua vez, era o sonho dos garotos, muito bonita e sorridente. Uma descrição mais detalhada dela é desnecessária neste ponto.

- Uau, Léo! A Paula me contou! Parabéns por ter ganho aquele concurso de redação! Não sabia que você era escritor.

- Ah, obrigado. Pois é, eu gosto de escrever, eu acho...

- Escuta, a galera da sala está combinando de ir ao cinema na quarta-feira. Você está afim?

Já não bastasse a Clara estar conversando comigo, agora ela está me convidando para o cinema?

"– Claro! Quem vai?"

"- Ah, todo mundo." E a partir daí, Clara começou a listar os nomes das pessoas mais populares da sua sala. Até este ponto, tudo muito parecido com um sit com americano, mas não desista de ler ainda, ok?

Quando Clara terminou de citar sua lista de "todo-mundos" e Leonardo percebeu que Fernanda não fazia parte desse mundo, reconsiderou:

"- Pensando bem..." Leonardo e Fernanda não tinham nada juntos, pelo menos não oficialmente. Conversavam bastante, todavia, e logo toda a classe começou a especular, cantarolar e até incomodar os dois amigos.

Ao perceber que seu convite não fora suficientemente convincente, Clara subiu a aposta:

- Léo, os garotos me falaram que você nunca beijou ninguém. É verdade?

Meninas costumam ter uma percepção muito aguçada para esse tipo de coisa. Nós rapazes demoramos um pouco mais para entender, mas depois dessa indireta, até o tão inocente Leonardo entendeu quais eram as intenções da moça. Respirou fundo e buscou coragem para a resposta:

- É, é verdade sim.

Leonardo e Fernanda não namoravam. Sequer haviam admitido um para o outro os sentimentos que começavam a brotar em seus corações e, portanto, não tinham nenhuma obrigação de fidelidade ou coisa do tipo. Leonardo, porém, sabia que seu coração já tinha dona (mesmo que nem ela mesma soubesse) e nenhuma oferta de ascensão social instantânea valeria mais do que sua amizade com Fernanda.

- É, é verdade sim. Clara, obrigado pelo convite mas eu lembrei que quarta-feira eu não posso. Desculpe.

Com uma certa surpresa típica das pessoas que não estão acostumadas a ouvir "não" mas ao mesmo tempo com uma entonação reflexiva de quem entendeu aquilo que as palavras não disseram, Clara finalizou:

- Sabe, Léo, você é um cara raro. A Fernanda tem muita sorte.