terça-feira, 29 de novembro de 2011

Londres (parte 2)

Muita gente foi até o aeroporto para comemorar a viagem de Fernanda e para lhe desejar sucesso. Dentre eles estavam seus grandes amigos de todos os momentos da adolescência Leonardo, Clara e Tiago. Mesmo tendo muita gente querendo se despedir de Fernanda, no fundo ela só se importava com uma pessoa. Embora prestes a ir para o outro lado do mundo, a menina de chá de morango ainda tinha esperanças de que seu melhor amigo finalmente se declarasse para ela.

Conforme o horário do embarque se aproximava, Fernanda começou a se despedir de todas as pessoas no aeroporto. Recebia abraços, recomendações e bons votos. Leonardo foi um dos últimos a se despedir. Os dois trocaram um abraço demorado e até algumas lágrimas, porém antes de se soltarem Leonardo fez questão de contar uma piada para que eles "se despedissem rindo", conforme ele disse.

Fernanda juntou as malas e começou a caminhar para a sala de embarque. Leonardo sorria e acenava, mas por dentro seu coração estava despedaçado. "Por que eu não consegui falar o que eu queria?" Ele havia ensaiado na frente do espelho tantas vezes durante tantos anos mas nunca tivera coragem de finalmente falar aquilo que sentia e agora sua melhor amiga, o primeiro e único amor da sua vida, estava indo embora para sempre. Não, dessa vez ele não poderia perder essa oportunidade. Desta vez ele precisava ter coragem. Se era isso que ele realmente queria, desta vez ele precisava correr atrás. Que se dane as consequências, pelo menos dessa vez!

- Fernanda! Espera! – gritou Leonardo enquanto corria para dentro da sala de embarque com toda a vontade que ele acumulara durante os últimos cinco anos.

- Senhor, você não pode passar por aqui! – falou a mulher da segurança. Ainda bem que nessas histórias o pessoal da segurança sempre quebra um galho para os apaixonados.

Fernanda virou para trás quando ouviu Leonardo chamando por ela. Depois que saiu do campo de vista dos amigos e da família ela não conseguiu mais segurar o sorriso e as lágrimas começaram a escorrer dos seus olhos. Leonardo chegou até onde ela estava, segurou-a pelo braço e disse:

- Fernanda, tem algo que eu preciso te dizer faz muito tempo e eu não podia deixar você ir embora sem falar isso para você. Você não foi a única que não foi totalmente sincera comigo. Tem algo que eu escondo de você há muitos anos, mas é algo que cresceu tanto que eu já não consigo segurar só comigo mesmo. – E aí ele olhou no fundo dos olhos dela, aqueles mesmos olhos que tantas outras vezes já haviam lhe incentivado a ser corajoso, e finalmente Leonardo falou aquilo que estava preso na sua garganta – Eu estou apaixonado por você, Fernanda. É de você que eu gosto e é com você que eu quero passar todos os meus dias. Você me faz sentir de um jeito que ninguém mais consegue. Você... Você me completa e eu amo isso. Eu amo tudo em você, seu cabelo, sua risada, seu jeito bobo de segurar no meu braço quando está com medo de alguma coisa... Eu amo você, Fernanda!

- Seu bobo! Você achava mesmo que conseguia esconder isso de mim? Eu sempre soube e sentia, digo, sinto a mesma coisa. Eu esperei que você me dissesse isso durante todos esses anos, Léo, mas... Por que você não falou antes? Eu só estava esperando por você.

Fernanda lhe deu um beijo, seu primeiro beijo, secou as lágrimas, sorriu e seguiu seu caminho para o avião.