terça-feira, 13 de março de 2012

Histórias com som #01

No momento em que esta história aconteceu, Eduardo contava com 16 anos, 5 meses, 9 dias, 2 horas e 43 minutos desde seu nascimento. Mas antes de entrar na história, vamos conhecer um pouco mais sobre o Eduardo.

Eduardo era um rapaz bem humorado, daqueles que sempre fazem as tias rirem durante os almoços de família. Em círculos mais exigentes, Eduardo certamente não seria considerado uma das pessoas mais engraçadas do mundo com seu repertório de piadas do pavê e da loira no supermercado. Ainda assim, Eduardo era um bom rapaz que se esforçava em fazer os outros sorrirem.

Tendo dito isso, os fatos são os seguintes. Um amigo do cursinho convidou-o para uma festa. Sem conseguir inventar uma desculpa que parecesse suficientemente convincente para recusar o convite, Eduardo foi. Fontes posteirores não conseguiram discernir se foi o ambiente exótico da festa ou a aglomeração de pessoas não-convencionais que produziu em Eduardo as reações inesperadas que narro a seguir, mas é de conhecimento geral que elas de fato ocorreram.

Eduardo, que gostava de novela e que neste momento da história já completava 16 anos, 5 meses, 9 dias, 5 horas e 17 minutos de vida, deparou-se com uma moça de nome Mônica. E foi então que aconteceu. O rapaz que estava sempre bem humorado e fazia os outros rirem de repente se deparou com uma situação inesperada que exigia-lhe dizer algo interessante o suficiente para prolongar a conversa com a moça cujo nome já foi mencionado.

Mas como já é de se esperar desses momentos críticos, o rapaz que sempre tinha uma piada ou anedota na ponta da língua para contar e entreter seus familiares não sabia o que dizer. E na tentativa frustrada de evitar falar bobagens, Eduardo disse:

- Eu não to legal, não aguento mais birita.

E a Mônica riu.