sexta-feira, 2 de março de 2012

Histórias que poderiam ser de verdade: Problema de outro

Acordei tentando me lembrar do sonho. Tentei me virar para o lado, querendo manter viva em minha memória a lembrança agradável de outros tempos. A realidade às vezes é dura demais para ser encarada.

Enquanto tentava me conscientizar de que a realidade não podia ser tão ruim assim, ouvi alguém do meu lado reclamando de estar acordando naquele mesmo inferno. É, a realidade era de fato terrível.

Sei muito bem que buscar justificativas para racionalizar a situação não vai ajudar em nada, mas é inevitável. Todas as informações que recebo me parecem incompletas. Não consigo compreendê-las ou articulá-las e isso me enerva. Como posso ser tão ignorante? Talvez se eu conseguisse entender porque tudo isso está acontecendo eu me sentiria melhor. Ou talvez não fizesse diferença alguma. não há nada que possa ser feito, de qualquer forma.

Todos sabemos que vamos ter que enfrentar esses desafios mais cedo ou mais tarde. Constantemente somos relembrados disso e até nos iludimos achando que estamos preparados. Mas quando a verdade bate à porta, não há preparo psicológico ou treinamento profissional que nos impeça de se deparar cara a cara com o desespero. Passei a vida toda alimentando a esperança de que iria escapar dessa. "Não vai acontecer comigo" pensei lá no fundo.

Mas aconteceu. Por que cutucar o vespeiro? Estamos em guerra. Uma guerra cujos motivos mal consigo entender. Uma guerra contra um inimigo que não deveria ter sido despertado. Uma guerra que estamos perdendo.

Extraído do diário do Cb. Martínez, Ilhas Malvinas (Falklands) , 1982