sexta-feira, 7 de dezembro de 2012

Interlocutores

Foi uma briga feia. Ele chamou a Menina de “cabeça de pudim” e ela retrucou com “cabeça de vento”. Não se falaram pelo resto da aula. Nem se despediram na saída da escola. Parecia que nunca mais iam se falar. Melhor assim! Não precisava de uma amiga tão... tão... como ela!

Chegando em casa, encontrou-a vazia, como de costume. Seus pais estavam trabalhando. Comeu qualquer coisa que havia na geladeira e tentou estudar, mas estava irritado demais para isso. Tentou então brincar com o cachorro, o que também não foi bom para seu humor. A felicidade do animalzinho apenas o lembrava do quanto estava triste. Tentou dizer isso a ele, mas recebeu em resposta apenas uma lambida na mão. O garoto achou que o cachorro o havia compreendido, mesmo que apenas um pouquinho. Mas então o animalzinho trouxe a bola de tênis para que ele a jogasse e lambeu outra vez a sua mão, para que pegasse a bolinha.

Estava sendo bobo... seu cachorro não entendia uma palavra do que dizia. Precisava conversar com alguém, mas sua melhor amiga havia jurado nunca mais falar com ele. Quanto aos outros garotos, não achava que eles entenderiam ou ajudariam, pois estavam sempre caçoando da amizade que ele tinha com a Menina. Só havia uma pessoa no mundo com quem podia falar do seu problema.

Encontrou-a no jardim de sua casa, balançando-se furiosamente no balanço de pneu pendurado numa grande árvore. Parou de frente para ela, a uma distância segura, e disse:

- Sabe, eu briguei com a minha melhor amiga hoje. Não tenho mais ninguém com quem conversar.

A Menina parou de se balançar lentamente, aos poucos deixando sua expressão de raiva para trás.

- Eu também briguei com meu melhor amigo. Ele me deixou bastante chateada.

- Você voltaria a falar com ele se ele pedisse desculpas?

- Só se parasse de dizer que meu desenho da cobra engolindo um elefante parece um chapéu.

- Meus pais dizem que arte é uma questão de ponto de vista.

- Então seus pais também são cabeças de vento que nem você!

- E você continua sendo uma cabeça de pudim!

O Menino deu as costas furioso, mas não andou para longe como tinha vontade de fazer. Em vez disso, tentou recomeçar o seu discurso:

- Sabe, eu briguei de novo com a minha melhor amiga. E por um motivo ainda mais bobo que o anterior...