terça-feira, 12 de fevereiro de 2013

Rabanada

A vó perguntou o que era o doce que tinha pra comer.

- É french toast.

- Mãe, não fala em inglês pra vó!

- É rabanada, mãe.

Ao que vó, ouvindo o filho:

- Ah, rabada, sei o que é.

- É rabanada, mãe – corrigiu o filho.

- Mas a Frida me disse bem isso, rabada!

- Não, ela não falou isso.

- Falou sim!

O vô precisou interferir, em tom de bronca:

- Rabada é outra coisa!

O filho insistiu:

- Depois que você esvaziar a boca fale certo: ra-ba-na-da.

- Rabada.

- Ra-ba-na-da!

- Rabanada.

- Isso! – comemoraram todos.

A vó não ia deixar por menos.

- Ah, desde antes de você nascer eu sabia que isso era rabanada! – disse, com todo seu fôlego e sangue no rosto pálido, e um leve sorriso.

- Não deixa a peteca cair, a mãe!

E o vô, achando pouca graça:

- Toda festa tem que ter alguém para animar...