terça-feira, 18 de junho de 2013

Lua de mel

Nossos avós também tiveram suas luas de mel. Só talvez não tão cinematográficas quanto as que se vendem por aí hoje em dia, como conta essa avó:

- Eu falei pra ele: “ ‘tô sentindo percevejo andando na minha perna!” E ele não acreditou, disse que eu ‘tava com sono e que isso devia ser frio, que era pra eu me cobrir e dormir. – E olhou para o avô com o rabo do olho, que continuou:

- Aí, no meio da noite, senti alguma coisa andando na minha perna... Fui acender um fósforo pra ver o que era, mas não encontrei nenhum...

- Espere aí, não tinha luz? – interrompeu seu filho.

- Tinham desligado a luz à meia-noite. – e o avô continuou: – Quando foi de manhã que vi: a cama ‘tava cheia de formiga!

- E olha que procuramos o melhor hotel na época! – completou a avó, antes de murmurar que naquele tempo não havia tanto hotel como hoje – E no fim não valia era nada...