quinta-feira, 4 de julho de 2013

Herói em Construção

"Meu herói não usa uma capa colorida. Ele se veste como uma pessoa normal e passa despercebido na multidão. A não ser nos dias de chuva, para não pegar um resfriado e poder continuar sempre forte, pois nunca se sabe quando alguém precisará da sua ajuda.

Ele está sempre disposto a fazer o bem, não importa quanto esforço isso exija dele. Desde ajudar um vizinho idoso a carregar as compras até em casa até emprestar seu brinquedo favorito - aquele carinho vermelho que ganhou no natal - para a irmã mais nova levar as bonecas para passear e enchê-lo de lama. Seu coração é grande o suficiente para amparar até os cachorrinhos abandonados da rua, aos quais ele da comida e água, e quando pode arranja também um lar para eles.

Meu herói está sempre aprendendo, pois só assim ele é capaz de enfrentar os novos desafios que aparecem para acabar com a alegria das pessoas. Mesmo que às vezes a batalha parece perdida, ele nunca desanima, pois sabe que um dia todo vilão se dá mal. Essa é a sua força, ou pelo menos é isso o que seus pais lhe dizem.

É por todas essas qualidades que o meu super herói... sou eu mesmo."


A sala inteira explodiu em gargalhadas. A professora olhava para o Menino com um ar reprovador, mas abrandou o olhar quando percebeu que ele não fizera de propósito. Depois de conter a barulhenta turma, disse:

- Esta redação deveria ser sobre uma pessoa que você admira muito. A maioria fez sobre seus pais ou irmãos. Por que você não fez o mesmo?

- Mas professora, o dia em que eu não for meu próprio herói é o dia em que não estou fazendo tudo que posso para tornar o mundo um lugar melhor. E eu quero sempre dar o melhor de mim, já que o mundo me dá tanta coisa sem pedir nada em troca.

Ao final do dia, o Menino levou para casa uma redação com a nota máxima. A professora levou para a sua um punhado a mais de ternura. E assim o mundo ganhou um pouco mais de esperança.