segunda-feira, 28 de outubro de 2013

Céu estrelado

Não era incomum que ela perdesse a hora quando parava para olhar as estrelas. O rapaz ao seu lado acompanhava o olhar achando que entendia os sentimentos que inquietavam o coração da moça.

"Aquela ali" disse ela apontando maravilhada para o ponto mais brilhante do firmamento. "Era aquela que eu estava procurando".

Observaram por alguns instantes, mas o belo sorriso que até então adornava aquele delicado rosto se desfez quando o ponto piscou com uma luz vermelha, revelando ser um avião.

"Eu jurava que ficava por ali" disse desapontada. "Deve ter apagado".

O rapaz abriu um sorriso discreto mas condescendente. "Não seja boba" disse. "Estrelas não apagam dessa forma".

"Talvez essa tenha apagado" disse ela teimosa. "O que você entende de estrelas afinal?"

Ele ficou quieto olhando para cima, descontente em não ter uma resposta. Não entendia por que, em um firmamento tão belo e repleto de pontos cintilantes de todos os tamanhos, ela teimava em procurar sempre a mesma estrela. Pensava entender-lhe os sentimentos, mas nunca entenderia.