sexta-feira, 20 de dezembro de 2013

» Como foi o lançamento do "Toco de Vela - ano 3"

Olá, caros leitores!

No dia 30 de novembro teve o lançamento do "Toco de Vela - ano 3". Para quem não pode ir, aqui vai um gostinho de como foi o evento. Para quem foi, fica registrada aqui a lembrança e o agradecimento pela sua presença.



Um exemplar do livro e a arte original da capa, trabalho de Leonardo Martins.


Da esquerda para a direita: Cinthia Goch (escritora), Rudolf Eckelberg (escritor), Leonardo Martins (capa), João Avelino (escritor), Priscilla Durigan (escritora) e Renata Lopes (escritora).


As pessoas iam chegando a cada minuto. Em meia hora de evento, já era difícil de andar pelo salão.


Alguns não aguentaram chegar em casa e aproveitaram os sofás da livraria do Paço para começar a ler seu exemplar.


Os autores ficaram circulando entre as pessoas e conversando com os amigos, mas a conversas eram constantemente interrompidas por assinaturas.


Realmente, era difícil dar conta de tudo!


No final nos acalmamos e resolvemos sentar para assinar os livros. Mas a calmaria não durou muito tempo, pois volta e meia um autor se levantava para recitar um conto.


Rudolf Eckelberg foi o primeiro, com o conto "O Velho do Chapéu".


Em seguida Priscilla Durigan recitou "Balanço".


No meio do evento, Cinthia Goch leu "As Horas".


Depois foi a vez do João Avelino ler seu conto "Indiferença".


E por fim, Renata Lopes recitou "Anseio".


Todos ficaram quietinhos e prestaram atenção nos contos. Alguns abaixavam a cabeça para absorver melhor as palavras, outros gravavam o momento para revivê-lo depois. Cada um ouvia a sua maneira.



O lançamento do "Toco de Vela - ano 3" foi um evento inesquecível, tanto para as pessoas que estavam lá quanto para os autores. Agradecemos a presença de todos que compareceram e às pessoas que tornaram possível este evento, e esperamos ver a todos novamente em 2014!

Um obrigada especial ao Ciel, fotógrafo do evento; ao Eros, que foi nosso mestre de cerimônias improvisado; e aos funcionários do Paço, sempre muito simpáticos e que nunca nos deixaram na mão.