segunda-feira, 16 de dezembro de 2013

Ignorância e consciência

“Você acha que eu estou errado?” perguntou o senhor barbudo após concluir sua extensa e mirabolante lógica, enquanto pregava cuidadosamente o cordão de luzes de natal na parede.

“Eu acho” disse o outro com o olhar distante através de seus óculos redondos de fundo de garrafa. Pacientemente desenrolava o longo fio pontilhado de lâmpadas apagadas conforme ele era esticado ao longo da fachada da casa.

“Pois então qual é a verdade?” indagou o primeiro em tom de desafio.

“Não sei” respondeu o interlocutor sem pensar.

“Há!” exclamou o senhor de barba. “Claro, e ainda vem dizer que eu estou errado”.

“Sim. Pelo menos eu sei que não sei.” disse o dos óculos esboçando um sorriso ingênuo.

O senhor de barba bufou e deu um passo para trás para verificar o alinhamento das luzes. “Sujeitinho ignorante” pensou para si mesmo. "Vamos acender esse troço" disse para concluir a conversa. Pelo resto da noite não se falou mais no assunto.