quarta-feira, 12 de março de 2014

[Sem fio]


[Thursday doesn't even start, It's Friday I'm in l-]

- Alô? Oi, mãe!!! Tudo bem? Que saudade! Sim, com certeza... não, não tô passando fome. Tem muita comida na capital. É. Eu já disse isso.

- Há há há! Sim! Mas e o pai, como tá? Ah, sim... uhm. Sei. É, isso não tem jeito.

- Mas e no mais tudo bem, né? Que bom então. É, uma semana pras férias... Sim, tudo certo. Também quero logo ver vocês e todo mundo. Vou levar uns presentes... claro que precisa! Nem adianta discutir isso.

- Eu sei, eu sei. Mas não sou mais criança né, já andei de avião infinitas vezes. Tive que melhorar na marra. Agora é só alegria.

- Tá, eu sei que fica caro. Beijo, mãe. A gente se vê em breve. Vê se não chora quando desligar o telefone... aham, sei. Tchau, amo vocês.

[pim-pim-pim-pim-pim-pim-pim-pim. Tu... tu... tu... tu...]

- Atende, atende... oiiiii amor, tudo bem? Aham, por aqui também. Viu, falei com minha mãe... é, finalmente. Ela tinha me chamado pra ir pra casa nas férias, né? Sim. É, eu vou... e tava pensando... aquilo, sabe.

- É, eu sei que eu que protelei. Mas acho que agora é um bom momento. Então, você vai comigo? Tá. Obrigada. Espero que sim. É, você é respeitável, talvez até demais, não é? Não, eu não faço ideia. Só na hora.

- Há há há há há! Besta, você. É, vou fazer isso depois que desligar, só queria confirmar com você primeiro. Já passou da hora de encarar o rojão. Obrigada. Amo você. Bom trabalho aí.

[pim-pim-pim-pim-pim-pim-pim-pim]

- Oi, mãe! É, eu de novo. Não, não aconteceu nada, não... quer dizer, sim. Tem uma coisa que preciso avisar. Não, nada ruim. É meu tom de voz normal, ué!

- É que tem uma pessoa que eu quero levar pra vocês conhecerem nas férias... é, é meu namorado.

- Não, não é da faculdade. Ele é meio que mais velho.

- Oh sim, super formado. Digo. Ele tem 40 anos.

- Não é brincadeira, não. Eu sei que são 20 anos de diferença. Não, ele não é pervertido. Me escuta, pelo menos? Não é pelo dinheiro, não mãe. Ele nem é tão rico. Bem, mais que eu é óbvio, né mãe? Isso não é bom? Não é um vagabundo, não era isso que vocês não queriam?

- Eu s-sei bem o que o pai pensa. Claro que choro, com você gritando comigo! Você tá me ouvindo? Não, eu não vou largar os estudos. Não tem nada a ver. Escuta, vocês podem pelo menos dar uma chance pra ele, né?

- Vai fazer dois anos. Eu não queria preocupar vocês, né? Olha sua reação. Tô contando agora, não tô? Não é fácil pra mim também. Mas vocês vão adorar ele! E o que tem a ver a vizinhança...? É meu namorado, não deles!

[tu tu tu tu tu tu tu tu]

- ..............

[Thursday doesn't ev-]

- Oi.

- Sim, ele vai. Por ele, tinha contado há muito tempo. É, esse tipo de pessoa. Quinhentas vezes melhor que o Guilherme, mãe. Nem me lembra disso.

- Amo muito. E é recíproco. Sim. Eu aviso. Tá. Diz pro pai ligar qualquer coisa, que eu falo com ele. Mesmo assim, diz.

- Tá. Te amo também. Até semana que vem.

[pim-pim-pim-pim-pim-pim-pim-pim. Tu... tu... tu... tu... Deixe seu recado após o sinal...]

- Oi amor! Deu tudo certo, meus pais tão ansiosos pra te conhecer! Foi bem tranquilo, vi que eles confiam mesmo em mim! Me liga à noite pra vermos os detalhes, ok? Te amo, beijos!