terça-feira, 28 de julho de 2015

Como se...

Ela estava flutuando no espaço, em meio a estrelas distantes e a escuridão completa. Não se lembrava do que estava fazendo antes daquilo, só sabia que estava ali, agora, onde e quando quer que isso fosse.

Viu então um ponto crescer no horizonte. Quando se aproximou, percebeu que era ela mesma, mas pouco mais velha, com inícios de rugas. Sua eu mais velha parou de flutuar a poucos metros, sorrindo, mas manteve-se calada até que ela decidiu perguntar:

- Isto é um sonho?

- Por que acha que isto pode ser um sonho?

- Porque é diferente da realidade que eu conheço.

- O que você define como "realidade"?

- Aquilo que meu cérebro interpreta baseado em receptores de diversos tipos espalhados pelo meu corpo.

- Bem, sonhos são a interpretação do cérebro baseado em... alguma coisa. Então não é tão diferente da realidade, é?

- Mas eles só acontecem dentro da minha cabeça.

- Todas as sua sensações, emoções e memórias também, e nem por isso você não as considera real.

- Tudo bem, vamos evitar estabelecer essa linha entre sonho e realidade. Por que estamos aqui?

- Essa pergunta é ainda mais difícil que a anterior.

- Não o aqui-aqui, agora. O "aqui" que eu digo é o da existência, de forma geral. Se tudo isso for real, vou aproveitar para fazer uma pergunta que faça a diferença quando eu voltar para... enfim, pra minha vida de antes... de antes disso. Por que nós, eu e você, existimos?

- Existe uma resposta causal, mas acredito que você já a saiba.

- Sim, eu lembro das aulas de biologia da escola. Moléculas interagem e formam aminoácidos, que interagem e formam proteínas, que interagem e formam um montão de outras coisas, que eventualmente formam células, e algumas dessas células se agrupam e formam colônias que chamamos de indivíduos. E nem me pergunte o que difere as minhas células agrupadas da célula única das amebas, não é isso que vai responder a minha pergunta.

- Então o que quer saber?

- Existe uma resposta metafísica para a minha pergunta?

- Essa é outra pergunta difícil. Pode existir, pode não existir. Depende do que você está disposto a aceitar. Se você quiser, basta acreditar na explicação que mais lhe agrada.

- Então, basicamente, o "porquê" é aquilo que eu decido? Não existe uma verdade universal para o propósito da existência de tudo?

- O seu próprio conceito de verdade nesta situação é errôneo. O que existe é a realidade e como as coisas funcionam. A verdade é algo tão subjetivo que o Universo não é grande o suficiente para comportar a responsabilidade de uma suposta "verdade universal".

- Mas o funcionamento das coisas não é um tipo de verdade?

- O funcionamento das coisas é meramente o funcionamento das coisas. Defini-lo como "verdade" em um dado momento da sua capacidade de compreensão é muito limitante.

- Quer dizer que nunca vou conseguir uma resposta para essa pergunta?

- Deixe-me responder com outra pergunta: você precisa realmente de uma resposta?

Naquele momento, ela acordou sem se lembrar de nada, e viveu um dia extraordinário como todos os outros dias ordinários antes daquele. Era como se o sonho nunca tivesse existido. Mas apenas como.